A crise política brasileira também poderá originar o aparecimento de um candidato com as mesmas posições políticas de Emmanuel Macron nas eleições presidenciais em 2018. O professor da Universidade Federal de Pernambuco, Ernâni Carvalho, disse ao The Democrat que “espera-se o surgimento de um candidato que crie um novo partido para dar credibilidade ao sistema”. As palavras do docente brasileiro foram proferidas num debate sobre o futuro do Brasil no Estoril Political Forum. No mesmo painel participaram os professores Paulo Roberto de Almeida e Bruno Garshagen.

As palestras incidiram sobre a necessidade de reformar as instituições políticas para colocar um ponto final na corrupção. Bruno Garshagen confirma que “a situação no Brasil é complexa por causa do caso Lava-Jato”, tendo considerado que se trata de “um momento especial da história” para efectuar mudanças. Por seu lado, Paulo Roberto de Almeida também assegura que “o sistema político está falido”, mas não tem a certeza qual a duração do processo. Apesar do pessimismo, o diplomata aponta “a redução do peso do Estado na sociedade” como uma medida positiva para alterar a actual situação.

O tom mais crítico pertenceu a Bruno Garshagen, já que, sugeriu à população para intervir mais na política, mesmo que “já exista um movimento cultural, social e político que se preocupa em discutir política”. No entanto, a grande proposta está relacionada com a mudança de regime. O docente entende que “o parlamentarismo” serviria melhor os actuais interesses do Brasil.

Na sessão também se confirmou o enorme poder das instituições judiciais. Ernâni Carvalho explicou que “o poder judicial cresceu e ocupando espaços importantes”, tendo comparado o número de Universidades de Direito no Brasil com as maiores potências, além de todos os gastos anuais com os operadores judiciários.

Advertisements